Embolização Uterina

Em 1997, surgiu uma alternativa às mulheres que precisam lutar contra os miomas uterinos. A embolização das artérias uterinas.

Um procedimento seguro, muito mais confortável e com uma recuperação bem mais rápida para as pacientes.

"Os miomas são tumores benignos, não-cancerosos, que se desenvolvem na parede do útero e podem ter tamanhos variados, de um a 10 centímetros", esclarece o Dr. Alexander Ramajo Corvello, médico especialista em radiologia intervencionista que vem realizando a prática da embolização aqui em Curitiba.

Como os sintomas nem sempre são perceptíveis, os tumores podem ser diagnosticados em exame ginecológico de rotina e complementados com a ecografia do útero ou a ressonância magnética.

Em Curitiba, a técnica da embolização pode ser realizada no Serviço de Radiologia Intervencionista do Hospital Santa Cruz, no Hospital Universitário Evangélico, no Hospital São Vicente, no Hospital Vita Curitiba, no Hospital da Cruz Vermelha Brasileira Filial Curitiba, no Hospital Universitário Cajuru  e em Maringá no Hospital Paraná, todos sob a supervisão do Dr. Alexander Corvello.

 

Dr. Alexander Ramajo Corvello

 

 

Como o procedimento é realizado

“A embolização de artérias uterinas é um método relativamente recente, porém seguro e eficaz, que tem obtido espaço por ser minimamente invasivo e preservar o útero”, explica o radiologista intervencionista Dr. Alexander Ramajo Corvello, do Instituto de Radiologia Intervencionista (Inrad).

A idéia do procedimento é interromper o suprimento sangüíneo que nutre os miomas, por meio da utilização de partículas específicas que são introduzidas via cateterização arterial diretamente nos vasos uterinos, seletivamente. “Esse procedimento é realizado pelo radiologista intervencionista, que passa a compor equipe multidisciplinar no tratamento dessa patologia”, esclarece o Dr. Branco.

A embolização do mioma do útero é uma técnica não-cirúrgica que dura em média uma hora. O procedimento é minimamente invasivo e não causa maiores agressões ao organismo, pois não necessita de pontos. O material sintético utilizado na cirurgia não provoca rejeição e é usado há mais de 20 anos na medicina.

Especialistas monitoram a paciente durante todo o tempo, usando modernos equipamentos de alta resolução que permitem uma excelente visualização das imagens obtidas e grande segurança. A técnica de embolização é utilizada desde a década de 1970 para diminuir o sangramento no pós-parto, tratar tumores malignos (câncer), aneurismas e hemorragias nas mais diversas partes do corpo.

Muitas mulheres lutam para manter a fertilidade, pois querem engravidar, e mesmo após a embolização algumas atingem essa conquista. Dr. Corvello e Dr. Branco fazem um alerta: hoje as mulheres tendem a engravidar mais tarde, em função da estabilidade, da carreira e do trabalho. Assim, as chances de apresentarem algum risco aumentam. Por isso, elas devem ficar atentas aos miomas e outras doenças que atingem a preservação da saúde uterina.


Dr. Alexander Ramajo Corvello