Conhecendo a Radiologia Intervencionista

O que é Radiologia Intervencionista?

  Radiologia Intervencionista é uma especialidade médica voltada para tratar pacientes de forma minimamente invasiva uma vez que não são cirurgias. Todos os procedimentos são realizados por pequeno corte na pele de cerca de 5 milimetros ( na grande maioria na virilha) e que não precisa de pontos. Todos os tratamentos são realizados com um pequeno tubo ( cateter). Enquanto a cirurgia aberta trata os pacientes com abordagem de fora para dentro, a Radiologia Intervencionista faz esta função de dentro para fora. Esta Especialidade Médica tem mais de 60 tipos de tratamentos de todas as partes do corpo, afora coração.

 O que são Radiologistas Intervencionistas?

  Radiologistas Intervencionistas são médicos especializados em tratamentos minimamente invasivos e guiados por imagem. Eles usam equipamentos de Raio X, Ecografia, Tomo grafia e Ressonancia Magnética para guiar finos instrumentos como cateteres  que são introduzidos dentro das artérias e veias ou através da pele para tratar doenças sem cirurgia. Isso é possível porque não existe terminal nervoso de dor dentro dos vasos sanguineos. Por isso o paciente não sente nenhuma dor.  A grande maioria dos tratamentos já são cobertos pelo Sistema Único de Saúde e, em sua totalidade pelos convênios particulares. Os médicos após 2 anos de Residência Médica específica na Especialidade de Radiologia Intervencionista fazem prova de Especialista pelo Colégio Brasileiro de Radiologia.

 Como funciona os procedimentos em Radiologia Intervencionista?

  O Radiologista Intervencionista usa equipamentos de imagens de altíssima resolução ( como o Raio X) para ver dentro do corpo do paciente e encontra aonde esta o problema e mapeia como chegar lá sem cirurgia. Os Radiologistas Intervencionistas então navegam com os cateteres por dentro da circulação do sangue ou através da pele para tratar a doença ou o tumor diretamente na fonte. Tudo através de um pequeno furinho de 5 milímetros na pele e sem pontos.

  A Radiologia Intervencionista é uma Especialidade Nova?

  NÃO. Ela existe desde os anos 70 através do treinamento específico em técnicas não cirúrgicas. Os radiologistas intervencionistas são os pioneiros da medicina moderna com a invenção do procedimento de angioplastia que é a dilatação das artérias e que hoje a maioria das pessoas conhece por tratar as artérias do coração. Mas tudo começou fora dele. O primeiro caso feito de angioplastia foi usado para tratar uma obstrução da artéria da perna salvando a paciente da amputação.

 Quais são as vantagens dos procedimentos de Radiologia Intervencionista?

  Nenhum tratamento em medicina é livre de riscos, mas os riscos dos procedimentos em Radiologia Intervencionista são de longe menor que os da cirurgia aberta e propicia o que há de mais moderno na medicina para os pacientes.
      - A maioria dos procedimentos podem ser realizados com um período muito curto de hospitalização e alguns até sem precisar ficar internado
      - Na esmagadora maioria não há necessidade de anestesia geral.
      - Risco de Complicações, Dor  e tempo de recuperação são significativamente reduzidos.
      - Devido a tudo isto os procedimentos acabam sendo menos caros que outros métodos de tratamentos.

O que o Radiologista Intervencionista trata?

  Combinando seu conhecimento em diagnóstico por imagem com seu treinamento específico de técnicas não- cirúrgicas e sendo guiado por imagem, o Radiologista Intervencionista pode tratar uma variedade muito grande de doenças por todo o corpo indo diretamente aonde o problema começa. Os mais comuns são:

         Câncer: pode ser tratado por um técnica chamada de quimioembolização onde uma menor dose da droga de quimioterapia  é entregue dentro do tumor com um maior contato com ele e, ao mesmo tempo tira a circulação do câncer. Outro método é a radioablação que através de uma agulha especial queima e mata o tumor. Outra aplicação é a embolização de Miomas do Útero. Esses tumores benignos do músculo do útero incidem em cerca de 50% da população feminina e em 15% delas ocasiona sintomas como sangramentos menstruais intensos com anemia, cólicas que incapacitam a mulher, além de sintomas urinários. A embolização que é o fechamento seletivo das artérias comprometidas, é capaz de tratar definitivamente tais pacientes com margem de sucesso de 89 a 92% dos casos.

        Entupimento das Artérias: nas pernas, nas artérias que vão ao cérebro e órgãos da barriga ( abdômen). Este entupimento causa o bloqueio da circulação e pode causar dor quando anda e pode até levar a amputação da perna ou Derrame Cerebral por falta de fluxo no cérebro, podendo causar morte. Ainda, o entupimento das artérias renais é uma das principais causas de pressão alta que pode inclusive levar a problemas do coração.

a)            Trauma: A Radiologia Intervencionista atua de forma significativa a mudar a trajetória de pacientes graves acidentados, quer seja acidentados por colisão  automobilística ou vítima de ferimento por arma de fogo e arma branca.  A radiologia Intervencionista pode identificar os focos de sangramentos em qualquer parte do corpo e através do cateterismo estancar o sangramento provenientes das pernas, bacia ou vísceras como intestino, fígado ou pulmão. O fato de poder ser realizado em condições criticas faz com que hoje nenhum serviço de excelência em atendimento a trauma exista sem esta Especialidade. Esta técnica chamada de embolização que consiste no fechamento apenas das artérias e veias que sangram, é também utilizada para qualquer tipo de sangramento, inclusive o de intestino, tão comum em nosso meio.

a)             Embolia de Pulmão: Segundo a estatística americana existem cerca de 600 mil casos novos de embolia nos Estados Unidos  por ano. Destes 11 % morrem por embolia pulmonar maciça antes de chegar ao Hospital e apenas 30 % são diagnosticados e tratados. A embolia pulmonar, que é o deslocamento de coágulos de alguma parte das veias  do corpo  para o pulmão, impede a troca gasosa e em casos graves causa a morte do paciente. Com os procedimentos de Radiologia Intervencionista é possível ir com o cateter dentro do pulmão e injetar medicamentos que dissolvem o coágulo ou aspirar os mesmos com micro cateter especiais.

a)           Derrame cerebral: Nesta doença, uma das principais causas de morte nos dias de hoje, é possível atuar tanto no derrame por sangramento no cérebro, através do fechamento dos aneurismas com molas microscópicas, como também no entupimento agudo das artérias do cérebro e pescoço. Através da Radiologia Intervencionista é possível abrir vasos do cérebro como também do pescoço ( artérias carótidas e vertebrais). Este último através da angioplastia que é a dilatação da artéria com implante de pequena mola no interior da artéria chamado de stent.

  

Por Dr Alexander Ramajo Corvello
Radiologia Vascular e Intervencionista
CRM -11462